PESSOA FÍSICA AUTÔNOMA É OBRIGADA A EMITIR NF DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS?

24 abr, 2019 | ISS, Comentários | 0 Comentários

Emissão de nota fiscal por pessoa física autônoma – A emissão de nota fiscal é tema que normalmente gera muitas dúvidas para os tomadores e prestadores de serviços. Isto porque, a Lei Complementar nº 116/2003, ao dispor sobre o Imposto Sobre Serviços, não faz referência quanto à obrigatoriedade ou não de sua emissão nos casos de incidência do tributo municipal.

Na verdade, a lei sequer cita a figura da nota fiscal ou de qualquer outro documento associado à prestação de serviços em seus 10 artigos. Por causa dessa omissão, cada município tem liberdade para regulamentar a matéria e estabelecer não apenas quando a emissão do documento é obrigatória, mas também os modelos e formas a serem observados em cada situação.

Por tudo disso, podemos constatar que cada município tem a faculdade de exigir esta obrigação dos profissionais autônomos, caso entenda necessário. Por falta de disposição na LC 116/2003 que libere o prestador pessoa física da emissão do documento fiscal de serviços, não podemos adotar uma orientação para todos os casos.

E diante da prerrogativa que possuem, alguns municípios, como é o caso de São Paulo, optaram por não exigir a emissão da nota fiscal em determinadas situações, incluindo aí os casos em que o prestador for pessoa física autônoma. A Instrução Normativa da Secretaria de Finanças nº 10, de 10 de agosto de 2011, afirma que estão desobrigados da emissão da NFS-e os seguintes prestadores de serviços:

I – os microempreendedores individuais – MEI;

II – os profissionais liberais e autônomos;

III – as sociedades profissionais tributadas pelo regime de alíquota fixa;

IV – as instituições financeiras e demais entidades obrigadas à entrega da Declaração de Instituições Financeiras – DIF;

V – os serviços de transporte público de passageiros realizados pela Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô e pela Concessionária da Linha 4 do Metrô de São Paulo S.A.;

VI – os prestadores de serviços enquadrados exclusivamente em um ou mais dos seguintes códigos de serviço: 01481, 02330, 08052, 08079, 08087, 08095, 08117, 08133, 08168, 08176, 08192, 08206, 08214, 08257, 08273, 08274, 08281, 08290. (A descrição dos códigos de serviço consta do Anexo I da IN SF 08/2011)

Pelos motivos apresentados, a resposta à pergunta sobre a necessidade ou não de emissão de documento fiscal por prestador de serviço pessoa física só pode ser dada após a análise da legislação municipal. Como consequência, podemos concluir que, via de regra, a emissão de nota fiscal é obrigação acessória exigida de todos os prestadores, salvo se a legislação local expressamente dispensar alguns contratados desta exigência.

Caso algum prestador alegue que está dispensado da emissão do documento, o tomador deverá exigir a prova legal da referida liberação, o que pode ser feito, dependendo do caso, apenas com a indicação do dispositivo da legislação do município que trata da matéria.

Por isso que a gente sempre alerta aos tomadores de serviços de autônomos: se você está exigindo a emissão de nota fiscal de todos os seus contratados pessoas físicas, já parou para verificar se existe norma legal no município que impõe essa exigência? É possível que sim, mas é provável que não! A depender do caso, um simples recibo é suficiente para documentar a operação.

Aqui caberiam outras considerações sobre a figura da nota fiscal avulsa, aquela que é emitida pelo próprio órgão de fiscalização do município, após a comprovação do recolhimento do ISS. Mas pra não nos estendermos muito no comentário, vamos prometer falar a respeito disso mais pra frente.

Caso você queira receber em seu e-mail conteúdos exclusivos em primeira mão publicados no Foco Tributáriotorne-se um seguidor do nosso blog. É totalmente gratuito!

Para receber os conteúdos diretamente em seu celular, solicite também a inclusão de seu telefone em nossa lista de transmissão do Whats App (+55 71 9 9385-2662).

Curso Retenção de ISS na Contratação de Pessoas Físicas e Jurídicas

Curso Retenção de ISS na Contratação de Pessoas Físicas e Jurídicas analisa a incidência do ISS – Imposto Sobre Serviços na fonte sobre os contratos celebrados com pessoas físicas e jurídicas, de acordo com a regulamentação da Lei Complementar 116/2003 e as alterações introduzidas pelas Leis Complementares 123/2006 e 128/2008 (SIMPLES NACIONAL).

Publicações recentes

269-como-tratar-as-receitas-que-tem-imunidade-do-iss-no-calculo-do-simples-nacional

#269: Como tratar as receitas que têm imunidade do ISS no cálculo do Simples Nacional?

A imunidade tributária, prevista no art. 150, VI, d, da Constituição Federal, concedida aos livros, jornais e periódicos, livra os respectivos bens da exigência…

268-retencao-de-ir-do-optante-do-simples-o-que-acontece-quando-a-empresa-sai-do-regime

#268: Retenção de IR do optante do Simples: o que acontece quando a empresa sai do regime?

O optante do Simples que emitiu uma nota fiscal em 2019 para um tomador que é órgão público sofre retenção de Imposto de Renda quando o pagamento…

267-um-aspecto-fundamental-para-determinar-a-incidencia-da-cprb

#267: Um aspecto fundamental para determinar a incidência da CPRB

A dúvida de hoje é do Raony e ele nos pergunta acerca de uma questão muito importante relacionada à aplicação (…)

266-sem-duvidas-1-100-o-inss-tem-que-ser-recolhido-pelo-aposentado-que-presta-servico

#266: O INSS tem que ser recolhido pelo aposentado que presta serviço?

Separamos a pergunta da Antônia Costa, sobre a necessidade de o aposentado que presta serviço pagar a Contribuição Previdenciária para o INSS…

Arquivos

Posts relacionados

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X