Incide INSS e IR sobre vale-transporte pago em dinheiro?

31 jul, 2019 | INSS, IRRF, Comentários | 0 Comentários

Vale-transporte pago em dinheiro – Há algum tempo, publicamos em nosso blog Foco Tributário, uma notícia veiculada no site do Conjur intitulada “Vale-Transporte pago em dinheiro não integra salário, reafirma TST”.

Ali comentamos sobre a decisão do Tribunal Superior do Trabalho que decidiu, com base na Lei nº 7.418/1985, que o vale-transporte pago ao trabalhador mensalmente não integra o seu salário. A referida decisão proferida em unanimidade pela 6º Turma do Superior Tribunal do Trabalho reverteu o entendimento da 18ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte e do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região sobre o caso.

Até então, os julgados eram no sentido de que os valores pagos a título de vale-transporte em dinheiro fossem integrados aos salários, com reflexos nas verbas trabalhistas.

No entanto, diante da possibilidade de o vale-transporte ser pago em pecúnia, conforme decidiu o TST em 2012, junto com o entendimento de que estas parcelas não integram o salário, há, nesse caso, base de incidência para contribuição previdenciária ou imposto de renda?

Ora, a Receita Federal do Brasil já manifestou seu entendimento acerca da contribuição previdenciária sobre o pagamento de vale-transporte feito em pecúnia, através da Solução de Consulta Cosit nº 143/2016.

Segundo a interpretação aplicada, não incide contribuição previdenciária sobre os valores pagos em dinheiro a título de vale-transporte. Como parte da sua fundamentação, é citado o  Ato Declaratório nº 4, de 31 de março de 2016,  da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) que assim propugna:

“(…) reiterando a autorização de dispensa de impugnação judicial decorrente da Súmula AGU nº 60, de 2011, fica autorizada a dispensa de apresentação de contestação, de interposição de recursos e a desistência dos já interpostos, desde que inexista outro fundamento relevante: “nas ações judiciais fundadas no entendimento de que não há incidência de contribuição previdenciária sobre o vale-transporte pago em pecúnia, considerando o caráter indenizatório da verba”.

Desta forma, para a contribuição previdenciária, podemos concluir que não incide o INSS sobre o valor pago em dinheiro a título de vale-transporte e alimentação.

No que se refere ao Imposto de Renda, o art. 5º da Instrução Normativa nº 1.500/2014 trata de forma bem clara e objetiva os rendimentos pagos a esse título como isentos, conforme se vê a seguir:

“Art. 5° São isentos ou não se sujeitam ao imposto sobre a renda, os seguintes rendimentos originários do trabalho e assemelhados:

I – alimentação, inclusive in natura, trans­porte, vale-transporte e uniformes ou vestimentas especiais de trabalho, fornecidos gratuitamente pelo empregador a seus empregados, ou a diferen­ça entre o preço cobrado e o valor de mercado;” (Grifamos)

Dessa forma, fica claro que também não incide o IR sobre o vale-transporte pago em dinheiro. Por se tratar de interpretação menos polêmica, não há Solução de Consulta proferida pela Cosit e com efeito vinculante que aborde o tema. Entretanto, não vislumbramos risco para a fonte pagadora que tratar tais verbas como de caráter indenizatório também para este tributo.

Já está aberta a pré-lista para você se inscrever no 4º workshop sobre Retenção de INSS dos Optantes do Simples Nacional. O evento é 100% grátis e online. Basta ser assinante do blog para participar, ou se preferir, acesse a página de inscrição do evento aqui.

Para receber os conteúdos diretamente em seu celular, solicite também a inclusão de seu telefone em nossa lista de transmissão do Whats App (+55 71 9 9385-2662).

Curso Gestão Tributária de Contratos e Convênios

Participe do Curso Gestão Tributária, o evento mais completo do mercado acerca da incidência do INSS, IRRF, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e ISS na fonte. É o único com carga horária de 24 horas-aula distribuídas ao longo de três dias consecutivos.

Publicações recentes

diferencas-no-regime-de-iss-fixo-do-simples-nacional-e-do-dl-406-68

#312: Diferenças no regime de ISS fixo do Simples Nacional e do DL 406/68

O Decreto-Lei 406/68 permite que as pessoas jurídicas possam ser tributadas pelo regime do ISS fixo quando prestadoras das atividades (…)

2-questoes-importantes-sobre-a-escrituracao-contabil-das-empresas-do-simples

#311: 2 questões importantes sobre a escrituração contábil das empresas do Simples

Escrituração contábil %%sep%%Há alguns meses publicamos um vídeo analisando a obrigatoriedade de as empresas optantes do Simples Nacional escriturar o (…)

polemicas-em-torno-da-retencao-de-inss-e-das-contribuicoes-sociais-dos-optantes-do-simples

#310: Polêmicas em torno da retenção de INSS e das Contribuições Sociais dos optantes do Simples

A incidência da retenção de INSS e da CSLL, PIS/Pasep e Cofins em determinados serviços (…)

workshop-gratis-e-online-retencoes-tributarias-dos-optantes-do-simples-nacional-participe

Workshop Grátis e Online “Retenções Tributárias dos Optantes do Simples Nacional”: Participe!

Participe do Workshop 100% grátis e online “Retenções Tributárias dos Optantes (…)

Arquivos

Posts relacionados

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *