Qual o ICMS que deve ser excluído da base de cálculo da PIS/Pasep e da Cofins?

30 abr, 2019 | CSLL, COFINS e PIS/Pasep, Comentários | 0 Comentários

ICMS excluído da base de cálculo da PIS/Pasep e da Cofins – Em março de 2017, o Supremo Tribunal Federal, através do Recurso Extraordinário nº 574.706/PR, afirmou que o ICMS não deveria compor a base de cálculo da PIS/Pasep e da Cofins.

No entanto, essa decisão, que representou uma vitória dos contribuintes, ganhou novos contornos quando a Receita Federal do Brasil editou a Solução de Consulta Interna Cosit nº 13/2018, afirmando que o ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS e da Cofins seria aquele apurado no mês e não o total do imposto destacado nos documentos fiscais de venda.

Esse posicionamento da RFB gerou diversos questionamentos por parte dos contribuintes, o que levou o órgão fiscalizador a editar uma nota de esclarecimento, reiterando o entendimento da referida Solução de Consulta, indicando que a parcela a ser excluída da base de cálculo mensal das contribuições seria o valor mensal do ICMS a recolher, e alegando que o seu entendimento estaria convergente com o do STF, uma vez que o ICMS a ser repassado aos cofres públicos não é receita da pessoa jurídica e, por consequência, não compõe a base de cálculo das contribuições.

No entanto, como a decisão do STF não adentra de forma explícita nessa polêmica, para muitos tributaristas ela é favorável ao contribuinte e dá a entender que o ICMS a ser excluído da base do PIS/COFINS é aquele discriminado na nota fiscal. O órgão julgador tornou a ser questionado através de Embargos de Declaração para que se defina qual posicionamento a ser seguido.

Nesse sentido, até que o STF se manifeste, a dúvida persiste. O ICMS a ser deduzido da base de cálculo do PIS e da Cofins é o destacado na nota fiscal ou aquele apurado no mês pela empresa? Para entendermos a importância desse esclarecimento, vamos ver através de um exemplo prático as repercussões da decisão da RFB para o contribuinte.

Imaginando que determinada empresa emita notas fiscais no mês que totalizem R$ 100.000,00 (cem mil reais), com o valor de R$ 17.000,00 (dezessete mil reais) de ICMS destacado no total. De acordo com o entendimento defendido pelos contribuintes, o valor de R$ 17.000,00 (dezessete mil reais) poderia ser excluído da base de cálculo do PIS e da Cofins. Contudo, caso essa empresa tenha um crédito de ICMS decorrente das aquisições de produtos para revenda ou dos insumos para produção e ele represente um valor superior àquele destacados nas NFs (R$ 17 mil), não haverá nenhum pagamento efetivo de ICMS. Nesta situação, de acordo com a visão da Receita Federal, ela não poderia excluir nenhuma parcela do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins.

Tal confusão gerou diversas decisões judiciais dos Tribunais Regionais Federais – TRFs ratificando o entendimento do STF e pontuando que o ICMS a ser excluído é o da nota fiscal de saída e não aquele apurado ao final do período, após o confronto dos débitos (destacadas nas NFs de venda) e créditos (incidentes sobre aquisições). Mas a solução definitiva depende da manifestação específica da Corte Suprema acerca deste ponto.

Levando em consideração que o julgamento do RE nº 574.706/PR ainda está pendente, o procedimento mais seguro a ser tomado quanto à exclusão do ICMS da base de cálculo mensal do PIS/Pasep e da Cofins até que o STF é o entendimento da Receita Federal. Isso porque, como já vimos, a RFB possui soluções de consulta com efeito vinculante e poderá autuar o contribuinte que opte por adotar uma interpretação mais ampla da decisão do Supremo.

Caso você queira receber em seu e-mail conteúdos exclusivos em primeira mão publicados no Foco Tributáriotorne-se um seguidor do nosso blog. É totalmente gratuito!

Para receber os conteúdos diretamente em seu celular, solicite também a inclusão de seu telefone em nossa lista de transmissão do Whats App (+55 71 9 9385-2662).

Curso Gestão Tributária de Contratos e Convênios

Participe do Curso Gestão Tributária, o evento mais completo do mercado acerca da incidência do INSS, IRRF, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e ISS na fonte. É o único com carga horária de 24 horas-aula distribuídas ao longo de três dias consecutivos.

Publicações recentes

270-quando-reter-o-inss-dos-optantes-do-simples-nacional-na-construcao-civil

#270: Quando reter o INSS dos optantes do Simples Nacional na construção civil?

De acordo com o art. 142 da IN RFB 971/09, tanto os serviços como as obras de construção civil estão sujeitos à retenção previdenciária, contudo, será que…

269-como-tratar-as-receitas-que-tem-imunidade-do-iss-no-calculo-do-simples-nacional

#269: Como tratar as receitas que têm imunidade do ISS no cálculo do Simples Nacional?

A imunidade tributária, prevista no art. 150, VI, d, da Constituição Federal, concedida aos livros, jornais e periódicos, livra os respectivos bens da exigência…

268-retencao-de-ir-do-optante-do-simples-o-que-acontece-quando-a-empresa-sai-do-regime

#268: Retenção de IR do optante do Simples: o que acontece quando a empresa sai do regime?

O optante do Simples que emitiu uma nota fiscal em 2019 para um tomador que é órgão público sofre retenção de Imposto de Renda quando o pagamento…

267-um-aspecto-fundamental-para-determinar-a-incidencia-da-cprb

#267: Um aspecto fundamental para determinar a incidência da CPRB

A dúvida de hoje é do Raony e ele nos pergunta acerca de uma questão muito importante relacionada à aplicação (…)

Arquivos

Posts relacionados

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X