Retenção do INSS: Formalidades essenciais para redução da base de cálculo

5 set, 2018 | INSS | 0 Comentários

Retenção de INSS – Em nossos treinamentos sobre retenções tributárias que abordam a retenção de INSS na cessão de mão de obra ou empreitada sempre dedicamos uma parte do tempo para compreender a exclusão de materiais e equipamentos da base de cálculo.

Isso porque muitas empresas fazem uso dessa prerrogativa a fim de reduzir o impacto da retenção previdenciária, permitindo que ela seja inferior ao valor devido pela empresa prestadora do serviço, sobre quem recai a responsabilidade de recolher eventuais diferenças.

Muitas vezes, a empresa prestadora de serviços não faz uso desse direito e a consequência é que a retenção excede ao valor do INSS por ela devido sobre sua folha, levando-a a ficar com saldos a compensar junto à Receita Federal, o que representa uma supressão de capital de giro que pode provocar mais adiante um estrangulamento de seu fluxo de caixa.

Acerca da possibilidade de abatimento do custo com materiais e equipamentos, a RFB publicou a Solução de Consulta Cosit nº 118, de 07 de fevereiro de 2017, reforçando aquilo que também pontuamos em nossa obra Gestão Tributária de Contratos e Convênios: a análise quanto à possibilidade de exclusão de tais parcelas deve começar pelo contrato, a fim de verificar se há previsão quanto ao seu fornecimento, assim como a forma como ela consta no instrumento contratual. Em síntese, a decisão pontua o seguinte:

“Havendo a previsão do fornecimento de material e a discriminação de seu valor no contrato de prestação de serviço, e o destaque na nota fiscal, ele poderá ser deduzido para efeito da base de cálculo da retenção. 
Na hipótese de previsão de fornecimento de material sem a discriminação dos valores no contrato, os valores destacados na nota fiscal, sempre pelo valor da aquisição, poderão ser deduzidos, observado o percentual mínimo da base de cálculo da retenção para cada tipo serviço, conforme art. 122 da IN RFB nº 971, de 2009.

Quando a nota fiscal se referir a mais de um serviço, sem a discriminação do valor de cada um deles, deve ser aplicado o percentual mínimo do valor correspondente a cada tipo de serviço, conforme disposto em contrato, observado o percentual mínimo maior entre os fixados para cada serviço, se o contrato não permitir identificar o valor de cada um deles, sem prejuízo do destaque do valor total do material passível de dedução.”

Conforme a Solução de Consulta acima e dispositivos da IN RFB nº 971, de 2009, a dedução de valores de materiais e/ou equipamentos da base de cálculo da retenção do INSS depende, em regra, de  previsão contratual quanto ao seu fornecimento por parte do prestador. Mas a discriminação dos respectivos valores na nota fiscal também é imprescindível.

Caso haja previsão contratual acerca do fornecimento de materiais e/ou equipamentos mas não conste a discriminação de seus valores na nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços, a base de cálculo da retenção deve ser o valor bruto da operação. Além de encontrarmos amparo para essa orientação no art. 123, parágrafo único, da IN RFB nº 971/2009, a Solução de Consulta Cosit nº 253, de 26 de maio de 2017, ratifica o posicionamento do órgão fiscalizador no sentido de que tal formalidade é de observância obrigatória e o tomador deve verificar o atendimento desta formalidade ao analisar o documento fiscal antes do pagamento.

Curso Gestão Tributária de Contratos e Convênios

Participe do Curso Gestão Tributária, o evento mais completo do mercado acerca da incidência do INSS, IRRF, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e ISS na fonte. É o único com carga horária de 24 horas-aula distribuídas ao longo de três dias consecutivos.

Curso Gestão Tributária

Publicações recentes

deducao-equipamentos-calculo-inss-iss-construcao-civil

Dedução de equipamentos da base cálculo do ISS e do INSS na construção civil

  Base de cálculo - Embora as legislações de ISS...
diferenca-dctfweb-dctf-convencional-960x640

O CONVÍVIO ENTRE A DCTFWEB E A DCTF CONVENCIONAL

  DCTFWEB:  As empresas que compõem o 1º...
compensacao-tributos-federais

O QUE MUDOU NA COMPENSAÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS EM 2018?

  Tributos Federais: Nesse ano de 2018 diversas...

Arquivos

Posts relacionados

O CONVÍVIO ENTRE A DCTFWEB E A DCTF CONVENCIONAL

  DCTFWEB:  As empresas que compõem o 1º Grupo dentre aquelas definidas na Resolução nº 2/2016, do Comitê Diretivo do eSocial, que define o cronograma de entrega dessa nova obrigação e, também na Instrução Normativa RFB nº 1.701/2017, que trata da EFD-Reinf, para as...

ler mais

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Deixe uma resposta

ASSISTA AO NOVO VÍDEO

Destrave o vídeo com o seu e-mail

Nunca usaremos o seu endereço  de e-mail para spam

OBRIGADO POR ENVIAR!!