Receita Federal institui declaração de investimentos em Bitcoins

9 maio, 2019 | Gestão Tributária | 0 Comentários

Bitcoins e Receita Federal – A Receita Federal do Brasil, através da Instrução Normativa RFB n° 1.888, de 03 de maio de 2019, instituiu a obrigatoriedade de prestação de informações relativas às operações realizadas com criptoativos, das quais o Bitcoin se destaca como o principal exemplo.

Isso não significa que o contribuinte, ao investir nas criptomoedas, estava isento de prestar informações a respeito, mas elas se restringiam apenas à Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda – Pessoa Física(DIRPF). Não somente o valor investido tinha que ser declarado na ficha de bens e direitos, como também o ganho de capital que excedesse ao valor isento tinha que ser tributado.

Inclusive, no arquivo de perguntas e respostas sobre Imposto de Renda – Edição 2019, a RFB fez constar dois questionamentos a respeito, que transcrevemos abaixo com as respectivas respostas:

“447 — As moedas virtuais devem ser declaradas?

Sim. As moedas virtuais (bitcoins, por exemplo), muito embora não sejam consideradas como moeda nos termos do marco regulatório atual, devem ser declaradas na Ficha Bens e Direitos como “outros bens”, uma vez que podem ser equiparadas a um ativo financeiro. Elas devem ser declaradas pelo valor de aquisição 

(…)

607 — Os ganhos obtidos com a alienação de moedas “virtuais” são tributados?

Os ganhos obtidos com a alienação de moedas virtuais (bitcoins, por exemplo) cujo total alienado no mês seja superior a R$ 35.000,00 são tributados, a título de ganho de capital, segundo alíquotas progressivas estabelecidas em função do lucro, e o recolhimento do imposto sobre a renda deve ser feito até o último dia útil do mês seguinte ao da transação.
O contribuinte deverá guardar documentação que comprove a autenticidade das operações.”

Agora, em que pese não ter havido mudanças nas orientações quanto à tributação, surge a obrigação das pessoas físicas ou jurídicas residentes ou domiciliadas no Brasil quando transacionarem com criptoativos, assim como a exchange de criptoativos domiciliada para fins tributários no país.

A obrigação quanto à prestação das informações será:
I – da exchange de criptoativos domiciliada para fins tributários no Brasil;
II – da pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no Brasil quando:
a) as operações forem realizadas em exchange domiciliada no exterior; ou
b) as operações não forem realizadas em exchange.

Para esse fim, a instrução normativa define a exchange de criptoativos como sendo a pessoa jurídica, ainda que não financeira, que oferece serviços referentes a operações realizadas com criptoativos, inclusive intermediação, negociação ou custódia, e que pode aceitar quaisquer meios de pagamento, inclusive outros criptoativos.

Para as pessoas físicas, a IN define ainda que as informações deverão ser prestadas sempre que o valor mensal das operações, isolado ou conjuntamente, ultrapassar R$ 30.000,00 (trinta mil reais).

O prazo para entrega da declaração será até o último dia útil do mês subsequente àquele em que ocorreu o conjunto de operações realizadas com criptoativos, e até o último dia útil de janeiro do ano-calendário subsequente para a obrigação da exchange de criptoativos de prestar informações relativamente a cada usuário de seus serviços.

O leiaute ainda será definido no prazo de até 60 (sessenta) dias, mas já se sabe que a declaração será prestada com a utilização do sistema Coleta Nacional, disponibilizado por meio do Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) da RFB.

Embora a Instrução Normativa tenha entrado em vigor na data de sua publicação (07/05/2019), ela só produz efeitos a partir de 1º de agosto de 2019. Ou seja, a primeira declaração a ser prestada será até 30 de setembro de 2019.

Para receber mais conteúdos sobre a temática tributária, solicite também a inclusão de seu telefone em nossa lista do Whats App (+55 71 9 9385-2662).

Curso Gestão Tributária de Contratos e Convênios

Participe do Curso Gestão Tributária, o evento mais completo do mercado acerca da incidência do INSS, IRRF, CSLL, PIS/Pasep, Cofins e ISS na fonte. É o único com carga horária de 24 horas-aula distribuídas ao longo de três dias consecutivos.

Publicações recentes

ISS-SIMPLES-NACIONAL

4 coisas sobre a retenção do ISS que todo optante do Simples deve saber

No final do ano de 2008, através da Lei Complementar nº 128/2008, o Congresso Nacional aprovou uma série de alterações no Simples…

inss-e-iss

3 diferenças na apuração da base de cálculo da retenção do INSS e do ISS

Com certa regularidade somos provocados a nos manifestar sobre destaques do INSS e ISS presentes em determinadas notas fiscais. Ao analisar os documentos algo fica bem evidente…

GT-CAST-PODCAST-GESTAO-TRIBUTARIA

GT Cast #04 – Abril/2019 – O seu podcast sobre Gestão Tributária!

Nesta edição contamos com a participação de dois ouvintes que trazem questionamentos muito comuns para quem lida com tributação.

Arquivos

Posts relacionados

Seu comentário é bem-vindo!

Adicione seu comentário ou deixe sua pergunta.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSISTA AO NOVO VÍDEO

Destrave o vídeo com o seu e-mail

Nunca usaremos o seu endereço  de e-mail para spam

OBRIGADO POR ENVIAR!!