Visão do STF sobre a imunidade do livro eletrônico

27 set, 2017 | Gestão Tributária | 0 Comentários

A Constituição Federal, no seu art. 150, VI, alínea d, prevê a imunidade de impostos para livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão. Trata-se, portanto, de uma imunidade tributária objetiva, considerada pela doutrina como aquela em que o legislador tomou como base o objeto para conferir a proteção tributária e não o sujeito.

Ocorre que, com o passar dos anos e o avanço da tecnologia veio à tona a discussão acerca da aplicação dessa imunidade sobre os livros eletrônicos, tendo em vista que o suporte físico não seria o papel, como previsto na Constituição Federal. A controvérsia chegou ao Supremo Tribunal Federal e este se posicionou, quanto à matéria, através de decisão proferida no Recurso Extraordinário nº 330.817, tendo como recorrente o Estado do Rio de Janeiro.

Continue lendo no blog Foco Tributário →

Publicações recentes

Featured Video Play Icon

Mudança na base de cálculo do ISS na construção civil: agora é definitivo!

Recentemente, em dezembro de 2023, o STJ, em julgamento pela 2ª...
Featured Video Play Icon

GT Cast #52 – Janeiro e Fevereiro/2024 – O seu Podcast sobre Gestão Tributária!

Seja bem-vindo(a) a mais uma edição do GT Cast, o seu podcast...
Featured Video Play Icon

A DIRF ainda terá que ser entregue em 2025? Alteração importante!

O adiamento da DIRF 2024 gera diversas implicações. A primeira e mais importante é que esse fato não indica uma flexibilização (…)

Featured Video Play Icon

IRRF na DCTFWeb: Veja como preencher e enviar o evento R-4020!

Com o foco no evento R-4020 que diz respeito aos rendimentos pagos ou creditados a pessoas jurídicas, é imprescindível ter uma visão (…)

Posts relacionados