Visão do STF sobre a imunidade do livro eletrônico

27 set, 2017 | Gestão Tributária | 0 Comentários

A Constituição Federal, no seu art. 150, VI, alínea d, prevê a imunidade de impostos para livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão. Trata-se, portanto, de uma imunidade tributária objetiva, considerada pela doutrina como aquela em que o legislador tomou como base o objeto para conferir a proteção tributária e não o sujeito.

Ocorre que, com o passar dos anos e o avanço da tecnologia veio à tona a discussão acerca da aplicação dessa imunidade sobre os livros eletrônicos, tendo em vista que o suporte físico não seria o papel, como previsto na Constituição Federal. A controvérsia chegou ao Supremo Tribunal Federal e este se posicionou, quanto à matéria, através de decisão proferida no Recurso Extraordinário nº 330.817, tendo como recorrente o Estado do Rio de Janeiro.

Continue lendo no blog Foco Tributário →

Publicações recentes

#50: Contratos com diversos objetos executados por optantes do Simples Nacional

É comum que órgãos públicos, ao realizarem licitações, englobem em um único contrato diversos serviços (…)

provedor-de-internet-iss-ou-icms2

#49: Provedor de internet: ISS ou ICMS?

O tratamento acerca da tributação dos provedores de internet envolve uma polêmica bastante (…)

adiantamentos-e-pagamentos-acumulados

#48: Diferença entre o IRRF nos adiantamentos e nos pagamentos acumulados

O Regulamento do Imposto de Renda (Decreto nº 9.580/2018), ao dispor sobre o IRRF de pessoas (…)

servicos-prestados-por-MEI

#47: Quando incide patronal sobre serviços prestados por MEI?

Quando uma empresa ou entidade pública contrata um Microempreendedor Individual – MEI para prestar (…)

nova-alteracao-na-efd-reinf

#46: Nova alteração na EFD-Reinf com impacto já para 2020

(…) Vamos falar de uma alteração recente na EFD-Reinf, que teve a versão 2.0 dos seus leiautes revogada.

Posts relacionados