Livro Reflexos Tributários da Nova Lei de Falência – Comentários à LC 118/2005 (Padrão)

R$17,60

Em razão do advento da nova Lei de Recuperação Judicial e Falências (11.101/05), restou editada a Lei Complementar n. 118/05, em mesma data: 09.02.05, objeto de análise neste compêndio, cujo objetivo foi o de adequar a legislação tributária quanto a importante e significativa mudança operada no ordenamento jurídico nacional com os novos conceitos para recuperação de empresas e empresários, e que, no caso de insucesso, a instalação do processo de falência com a liquidação do ativo e pagamento aos credores. A LC n. 118/05 veio reforçar o quanto já delineado pela nova lei de falências, com o intuito de tornar prevalente e lembrado a todos o privilégio que o crédito tributário detém.

João Damasceno Borges de Miranda

REF: 005 Categoria:

Descrição

A Lei Complementar no 118, de 2005, introduziu novo artigo no Código Tributário Nacional onde fixa que na hipótese do devedor tributário, devidamente citado, não pagar nem apresentar bens à penhora no prazo legal e não forem encontrados bens penhoráveis, o juiz determinará a indisponibilidade de seus bens e direitos, comunicando a decisão, preferencialmente por meio eletrônico, aos órgãos e às entidades que promovem registros de transferência de bens, especialmente ao registro público de imóveis e às autoridades supervisoras do mercado bancário e do mercado de capitais, a fim de que, no âmbito de suas atribuições, façam cumprir a ordem judicial.

Aldemário Araújo Castro

Face à manifestação do STJ, apenas para a ação ajuizada após 9 de junho de 2005 (art. 4º da LC 118/05), poderá ser aplicado o artigo 3º, que (implicitamente) baixou de dez, para cinco anos, o prazo para a ação de repetição de indébito (restituição de valores recolhidos indevidamente a título de tributo) aos fatos geradores ocorridos antes de sua aplicação.

José Eduardo Soares de Melo

Pode-se inferir que, historicamente, a evolução dos procedimentos concursais deu-se em três fases: A primeira vai desde o surgimento da falência nos estatutos das cidades medievais italianas, até a Primeira Guerra Mundial, a segunda abrange o período compreendido entre as duas Guerras Mundiais e a terceira começaria com a Segunda Guerra Mundial, com marco acentuado na legislação francesa, até nossos diais atuais. Em sua primeira fase, com a institucionalização legal e de fato da autoridade estatal nos países do continente europeu, a falência surgiu como um instituto do Direito Comum, visando, por meio de um procedimento expropriatório global dos bens de devedor insolvente, comerciante ou não, lograr um resultado solutório, isto é o pagamento dos credores.

Alessandro Barreto Borges, Benedicto Celso Benício Júnior, Sérgio Gonini Benício

Informação adicional

Peso0.16 kg

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.